Saturday, 4 August 2018

Quão fácil é pôr os teus filhos num barco?

Incêndio em Mati (Grécia, 2018; imagem retirada do Facebook)

“Vês como é fácil pôr os teus filhos num barco quando em desespero ou em perigo?”, escreveu alguém no Twitter a 26 de Julho, quando a Grécia se encontrava em estado de choque após o trágico incêndio que causou tantas mortes. No momento em que estavam a emergir as histórias pessoais daqueles que pereceram e daqueles que sobreviveram, que tentaram salvar os seus entes queridos ou pessoas que não conheciam, transformando a tragédia em algo cada vez menos abstrato, alguém fez essa ligação entre as pessoas que colocaram os seus filhos em barcos para ficarem a salvo durante o incêndio e os refugiados que tentam a perigosa, muitas vezes mortal, travessia do mar. Quantas pessoas fizeram essa ligação? Que tipo de pessoas fez essa ligação? Essa ligação ocorreria a alguém com uma atitude negativa em relação aos refugiados e migrantes? Este tweet seria suficiente para fazer alguém reconsiderar?

Saturday, 14 July 2018

"Somente brancos": entraria?



Há dois incidentes recentes que me fizeram pensar. São lições aprendidas e têm influenciado a minha maneira de avaliar situações e de tomar decisões profissionais e pessoais.

Thursday, 12 July 2018

O que é que isto tem a ver connosco?

O arqueólogo sírio Khaled al-Asaad, assassinado pelo ISIS em Agosto 2015 em Palmira (Foto:  Marc Deville/Getty)
O meu artigo sobre o papel político dos museus de arqueologia no século XXI, traduzido do grego para inglês. Ler aqui

Sunday, 8 July 2018

Profissionais de museus: novas competências


O meu artigo no mais recente Boletim do ICOM Portugal (Série III, Junho 2018, Nº12, pág.25), editado por Ana Carvalho. Ler aqui

Monday, 11 June 2018

Discutindo a descolonização dos museus em Portugal

Foto: Maria Vlachou

Adoro museus. Adoro-os pelo que são; adoro-os pelo que não são, mas podem ser; adoro-os pelo seu potencial. Adoro-os especialmente devido ao trabalho desenvolvido por vários colegas em todo o mundo para que os museus se adaptem a novas realidades, permaneçam ou se tornem relevantes para as pessoas e até se reinventem. Ultimamente, adoro-os particularmente pelas controvérsias que causam ou enfrentam, empurrando o nosso pensamento e prática para a frente.

Sunday, 20 May 2018

Apropriação cultural: menos guardiões, mais pensadores críticos

"La Japonaise" de Claude Monet, Museum of Fine Arts Boston. (Imagem retirada de http://japaneseamericaninboston.blogspot.com)
Para a Nandia

O meu primeiro contacto com o conceito de apropriação cultural aconteceu em Julho de 2015 devido às “Kimono Wednesdays” no Museum of Fine Arts Boston (MFA). Por ocasião da exibição de “La Japonaise” de Claude Monet (uma pintura da esposa do artista, rodeada de leques, usando uma peruca loira e um quimono vermelho), os visitantes eram convidados a vestir um quimono semelhante ao mostrado no quadro e a partilhar as suas fotos nas redes sociais. Segundo o museu, essa era uma maneira para os visitantes se envolverem com a pintura. Para algumas pessoas, no entanto, a actividade carecia de qualquer contexto em relação ao quimono, tornando-se apenas “divertida”; outros criticaram a iniciativa por estar a reforçar estereótipos e exotizar os asiáticos-americanos; para outros, era racismo flagrante (leiam o artigo de Seph Rodney).

Saturday, 5 May 2018

"Lindonéia, a Gioconda do subúrbio", da minha primeira visita à Pinacoteca de São Paulo

"Lindonéia, a Gioconda do subúrbio", Rubens Gerchman, Pinacoteca de São Paulo  (Foto: Maria Vlachou)

“Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda,feia
Lindonéia desaparecida
Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor (...)”

Caetano Veloso, “Lindonéia”

Uma coisa da qual me apercebi logo nas primeiras visitas aos museus de São Paulo é que se gosta de longas introduções às exposições. A exposição “Vanguarda Brasileira dos anos 1960 – Coleção Roger Wright”, na Pinacoteca de São Paulo, não foi excepção.