Monday, 22 November 2010

"Vão é trabalhar!", dizem eles...

Estive a ler os vários comentários no Público online a propósito da entrevista de Luis Miguel Cintra a Tiago Bartolomeu Costa, que traz o título “Há uma agressão concreta às companhias”. Em várias ocasiões nos últimos meses senti-me incomodada, às vezes chocada, pela forma violenta, furiosa, como alguns ‘comentadores’, a maioria anónimos, expressam a sua opinião contra os apoios à cultura, às artes e aos artistas e o seu desprezo pelos mesmos, demonstrando em alguns casos – como neste – grande ignorância.

O ‘fenómeno’ não é apenas português. Na altura do anúncio dos cortes no Reino Unido alguns dos comentários deixados pelos leitores dos jornais demonstravam a mesma raiva, o mesmo desprezo, muita incompreensão e ignorância.

Lia-se em dois dos comentários deixados no Público online:


Anónimo, Lisboa. 19.11.2010 12:25 Estranho...
Não é normal num país civilizado que o teatro seja pago pelo Estado. Normalmente uma peça é um sucesso e aí os produtores ficam todos contentes e arrecadam dinheiro, ou é um flop e partem para outra. É assim em todos os países a sério e curiosamente as pessoas vão e estão em cartaz anos a fio. Cá, quer pele péssima qualidade de muitas produções quer pele preguiça dos encenadores, produtores, eles fazem o teatro para eles. O público é perfeitamente acessório. Com as receitas de bilheteira tinham feito só uma. Mas o Estado paga-lhes tudo o resto. O mesmo no cinema. O que eles fazem não é cultura. É uma chacha subsidiada, que dá prejuízo e que é vista por 1 mil pessoas se tanto. Não vão ao interior, encenam coisas como se estivessem sob a influencia de drogas e depois queixam-se. Vivam num mercado aberto. A peça é boa e atrai público - fica, é um flop - azar. Andar a viver à mama durante 30 anos e agora berrar quando todos estão a passar MAL é uma VERGONHA. Eu pago na boa 100 dólares para ver uma boa peça na Broadway mas não pago 5 tostões para ver uma na Cornucópia. E na Broadway vejo actores, na cornucópia vejo-o a ele. Um pedante cheio de si que como actor é uma desgraça.

E ainda:
Anónimo , Lisboa. 19.11.2010 12:17 700.000? Se-te-cen-tos MIL???Este tipo recebe do ministério da cultura 700.000 euros, OFERECIDOS, e ainda vem para aqui dizer mal? Mas o que é isto? Mesmo que os espectáculos sejam uma m....? Mesmo que não convença ninguém a ir ver? E este jornalista anda a dormir, não é capaz de o confrontar com o que pensam os portugueses sobre esta raça de "artistas" que acha que todos lhes devem e ninguém lhes paga? Que falta de ética! Que falta de chá! Que falta de vergonha! Que lata! Parece que temos, nós, os portugueses que não temos quem nos dê dinheiro sem termos que o ganhar PRIMEIRO, que dizer das boas aos artistas chulos que por aí pululam. E então no teatro... estão é mal habituados! Ah, e peço desculpa aos "senhores artistas portugueses" por ser tão ignorante e achar que 99% do que eles fazem não presta, ainda bem que eles sabem tanto para me iluminar! Muita paciência deve ter a ministra para continuar a aturar esta gente... Olha, eu, nem morto volto a dar um tusto a ganhar a esta gente! Vão é trabalhar!



Em primeiro lugar, o marketing ‘institucional’ (entre aspas, porque uso o termo para me referir tanto a instituições como a pessoas). Não basta promovermos e comunicarmos a nossa programação. No entanto, por falta de meios e de tempo, é nisso que todos nos concentramos. Só que desta forma chegamos sobretudo aos nossos públicos e não conquistamos propriamente os não-públicos. O marketing institucional é uma ferramenta que permitiria comunicar a visão que se tem, chamaria atenção para os valores que se defende, dava a conhecer a forma como se constrói uma proposta, procuraria definir uma linguagem acessível, apresentaria as ‘provas’ que poderiam dar resposta às preocupações sentidas pela sociedade, criaria os alicerces de uma relação, ajudaria a angariar apoio (não me refiro ao apoio financeiro, mas também esse), empenhar-se-ia em tornar evidente a relevância que o que se faz tem nas vidas de todos nós.


A segunda questão para a qual gostaria de chamar a atenção, e que está muito relacionada com a primeira, é a da profissionalização das pessoas que trabalham na área da comunicação e do marketing cultural. É curioso que o próprio Luis Miguel Cintra, quando se refere às múltiplas tarefas que a sua pequena equipa é chamada a desempenhar, destaca a importância de duas delas, ambas relacionadas com o marketing: a escolha de fotografias ou a preparação de um comunicado de imprensa.


Não poucas vezes, as pessoas que trabalham nesta área estão nela por acaso. Sem questionar de forma alguma o empenho e a dedicação dessas pessoas, sente-se muitas vezes a falta de formação profissional, a falta de conhecimentos gerais e específicos que permitiriam desenvolver um trabalho rigoroso, consistente, pertinente, inovador. Para se trabalhar nesta área, como em qualquer outra, é importante estar-se bem preparado, possuir conhecimentos e ferramentas que permitirão questionar, testar, adaptar, avaliar o que se faz e ao mesmo tempo prestar um bom serviço de assessoria junto daqueles cuja arte é outra.

Não são propriamente os comentários acima referidos que me fazem pensar em soluções, na forma de reagir. É muito pouco honesto alguém que se quer informado, e que paga para ir a Broadway ver espectáculos, afirmar que Luis Miguel Cintra não convence ninguém a ir ver os seus espectáculos. Se bem que o número de espectadores não constitui um selo de qualidade, como todos sabemos, a verdade é que Luis Miguel Cintra, para além de ter muitas vezes casa cheia no pequeno Teatro do Bairro Alto, enche consecutivamente salas muito maiores quando ‘se muda’ para outros teatros, cruzando públicos tradicionais e não tradicionais, aqueles que o seguem fielmente com outros que se expõe à sua arte pela primeira vez. E isto significa algo.

Os comentários acima referidos lembraram-me mais uma vez que o desconhecimento existe e na maioria dos casos não é intencional, mas sim genuíno. O desafio para todos nós que trabalhamos no sector cultural - não só os profissionais da comunicação, mas também os da educação, sem esquecer, obviamente, os próprios artistas, programadores, directores artísticos, directores de museus, etc. – é reconhecê-lo, entender as suas causas, combatê-lo. E isto implica, em primeiro lugar, termos formação adequada para a área em que estamos a trabalhar. Implica igualmente repensarmos ou ajustarmos a nossa estratégia e prioridades.
Por defeito profissional, tendo fazer a leitura dessas opiniões do ponto de vista da comunicação. E sinto cada vez mais que há duas questões que deveriam preocupar seriamente o sector cultural, e o das artes em particular.

2 comments:

Patrícia Serrano said...

O senhor Cintra, cujos incontáveis méritos duvido mas não discuto, deveria ter, como muitos outros, ajuda durante um período determinado, no sentido de encontrar formas de sustentar a sua companhia. Esses apoios, deveriam ser progressivamente reduzidos, na medida em que ou a companhia se sustentava no mercado, ou não se sustentava e aí teríamos um processo de selecção natural. Seria triste para quem venera o senhor Cintra.

Como de resto, é triste actualmente ver criadores de todas as áreas — com qualidade artística superior à do senhor Cintra — lutar apenas pela possibilidade de existir, ou tendo que fazer concessões no seu trabalho para criar, como diz o credor, "produtos que se possam vender".

Se à luz de diversos critérios o trabalho do senhor Cintra é merecedor de apoios, só aceito que o seja até certo ponto: o ponto em que a companhia aprende a sustentar-se. Se não aprende ou não quer, já é um problema dela.

Os recursos em Portugal são escassos e finitos! Não é admissível que alguém durante anos a fio encaixe tal volume de dinheiros públicos, achando que é um dever dos contribuintes pagar-lhe. Em rigor, o senhor Cintra não 100% vive do seu trabalho, como a grande maioria dos criadores em todo o mundo: vive em grande parte do trabalho dos contribuintes que através dos seus impostos lhe pagam as suas coisas.

Minha cara Maria: se está ligada ao sector cultural, sabe tão bem como eu que há muitos criadores que se tivessem a falta de vergonha de sacar dinheiros públicos para se sustentarem, fariam — alguns deles — coisas fabulosas. Muito mais fabulosas do que as que faz o senhor Cintra.

Maria said...

Cara Patrícia, obrigada pelo seu comentário. Se consultar alguns dos posts anteriores, relativos aos apoios na área da cultura, verá que partilhamos algumas preocupações relativamente a forma como os mesmos são atribuídos. Sem pedir nada em troca, sem estabelecer objectivos, sem ter uma visão para um desenvolvimento sustentável de todos, pequenos e grandes, conhecidos e menos conhecidos.

No entanto, o propósito deste post era outro. Questionei a forma como os cortes, aqui e noutros países, são um pretexto para, muitas vezes sob anonimato, serem atacados os artistas, para ser posta em causa a seriedade, qualidade e "utilidade" do seu trabalho. Questionei ainda a falta de investimento em marketing institucional e a falta de profissionais na área da comunicação, para se poder trabalhar melhor, de forma estruturada e consistente, a "imagem" de companhias, instituições e artistas junto do público em geral e dos mais cépticos quanto ao valor da cultura. Tal como, acrescento agora, faltam os profissionais na área do "fundraising", que têm o "know how" necessário para o desempenho desta tarefa hercúlea,num país onde os apoios privados e individuais à cultura estão longe de ser uma tradição. Mas se queremos mesmo investir melhor o pouco dinheiro do Estado, temos que começar por algures.