Sunday, 14 June 2020

A minha responsabilidade por este vandalismo

A estátua de Padre António Vieira (Foot: Nuno Fox para o jornal Expresso)
O vandalismo, a destruição ou a remoção de estátuas não é uma "moda" de hoje. Já sabia disso, mas não sabia quão velha era esta história. Numa entrevista ao New York Times, a historiadora de arte Erin L. Thompson mencionou que há estátuas de reis assírios que trazem gravadas maldições ("Aquele que derrubar a minha estátua, que sofra pelo resto da vida") e que datam de 2700 a.C. Segundo o jornal, Thompson tem dedicado a sua carreira ao estudo do significado da destruição deliberada de ícones do património cultural. Colocar uma estátua no espaço público é uma decisão política, uma declaração pública, uma tentativa de solidificar o reconhecimento dos valores, carácter e contribuição de uma pessoa à sociedade. O espaço público é um lugar de afirmação política; mas também de contestação. Essas afirmações públicas de uma versão oficial da história não são necessariamente imortais e não fazem necessariamente sentido para sempre.

Tuesday, 9 June 2020

Do silêncio para a hashtag para a tomada de posição


A notícia que o director do Toledo Museum of Art, Alan Levine, quis "re-enfatizar" nesta altura que o museu não tem uma posição política soou-me estranha e anacrónica. Não apenas porque me juntei há muito tempo ao grupo de profissionais da cultura que defendem que a cultura não é neutra ou apolítica, mas, principalmente, porque no contexto actual dos EUA, e de outros lugares, as coisas efectivamente mudaram.

Tuesday, 2 June 2020

Não consigo respirar

Joe Raedle / Getty Images, retirado de NPR

O ano de 2014 foi marcado nos EUA pela morte de negros desarmados nas mãos de polícias nas cidades de Ferguson, Cleveland e Nova Iorque. Foi o ano em que Eric Garner morreu, repetindo "Não consigo respirar" ...

Nesse mesmo ano, na sua declaração conjunta sobre Ferguson e eventos relacionados (que ficou conhecida como “Museums Respond to Ferguson”), profissionais dos museus posicionaram-se sobre o papel dos museus perante essas mortes trágicas. Há três pontos dessa declaração que destaquei num post que escrevi na altura.